Estresse, esgotamento, cansaço? entenda o que é Burnout.

Burnout em inglês significa esgotamento e a Síndrome de Burnout é um estado de exaustão emocional, física e psicológica causada por estresse excessivo e prolongado, normalmente no trabalho. Com sintomas físicos e mentais, o esgotamento pode afetar todas as áreas, incluindo casa, família, trabalho e vida social.

Ao lidar com o stress a pessoa se sente oprimida, emocionalmente esgotada e incapaz de atender as demandas constantes. Com a continuidade dessa situação, perde-se o interesse e a motivação que levaram a começar aquelas atividades. O esgotamento da energia pode reduzir a produtividade e causar o sentimento de desamparo, falta de esperança, exaustão e assim dificultar seu desempenho em todas as tarefas diárias.

As principais causas que levam ao início dos sintomas são sobrecarga de atividades, pressão constante, responsabilidades em excesso, alta demanda de trabalho e poucos momentos de distrações e repouso. 

 

As causas da Síndrome de Burnout são normalmente ligadas ao trabalho, mas situações de sobrecarga podem ocorrer desde o trabalhador sem férias até uma mãe com trabalho doméstico ou o cuidado com um idoso. Uma pesquisa da International Stress Management Association (Isma-BR http://www.ismabrasil.com.br/) calcula que 32% dos trabalhadores no país sofrem da Síndrome de Burnout, seriam mais de 30 milhões de cidadãos. Em resumo, é consequência do excesso de cobrança e responsabilidades, com pouco ou nenhum descanso.

Outros fatores que contribuem para o esgotamento são o estilo de vida e traço de personalidade. O que é feito no tempo fora das atividades e as visões sobre o mundo podem ser tão opressoras quanto às demandas do trabalho ou da casa. 

O estilo de vida potencializador do esgotamento é aquele muito focado no trabalho e com pouco cuidado com o bem-estar mental e social. Preza-se para muitas horas trabalhadas por dia, sem tempo para socializar e relaxar, falta relacionamentos íntimos e redes de apoio, além de excesso de responsabilidades e horas de sono insuficientes. Nos traços de personalidade, pessoas que são perfeccionistas, com visão pessimista dos fatos ou com necessidade de estar no controle para que o desempenho seja alto, sem conseguir delegar tarefas, tendem a se esgotar com mais frequência.

Sinais do esgotamento

É comum para todos passar por dias em que há o sentimento de desamparo, sobrecarga ou menosprezo pelas suas atividades, porém esse sentimento de forma constante pode ser sinal de exaustão. O processo é gradual e os sintomas são sutis no início, com piora no decorrer do tempo, por isso a observação dos sinais é importante como tratamento precoce e tentativa de evitar a piora da situação.

Sentimentos como o que todo o dia é um dia ruim, que a vida doméstica é um desperdício de energia, exaustão a todo tempo e que toda tarefa realizada não faz diferença ou não é apreciada, podem ser sinais importantes para um pedido de ajuda profissional.

Os sinais físicos do esgotamento podem ser sutis ou mais pesados. São alguns exemplos:

  • Mudança de apetite a hábitos de sono;
  • Dores de cabeça e musculares frequentes;
  • Imunidade baixa;
  • Sensação de cansaço e esgotamento a maior parte do tempo.

Já os sinais emocionais que devem servir de alerta passam pela:

  • Diminuição da satisfação na realização das tarefas;
  • Perda de motivação e perspectiva cada vez mais cínica e negativa;
  • Desapego, e sensação de desamparo e solidão;
  • Sente-se preso e derrotado, sempre em dúvida sobre suas decisões e com o sentimento de fracasso.

Diante desse esgotamento os comportamentos do indivíduo se alteram:

  • Aumenta-se a procrastinação;
  • Retira-se das responsabilidades e isola-se dos contatos com outros;
  • Atribui aos outros suas frustrações.

Para lidar com o vazio é comum, ainda, a falta ao trabalho e o excesso de comida, drogas ou álcool.

Como lidar com a Síndrome de Burnout.

Ao reconhecer os sinais de alerta, procure ajuda psicológica para se recuperar da exaustão e evitar a piora do quadro físico e emocional. Será necessário fazer uma pausa e mudar a direção das atitudes em relação ao motivo do seu esgotamento. É necessário reaprender que se pode superar o esgotamento e se sentir saudável e positivo novamente.

Entre as atitudes que podem ajudar a lidar e tratar o Burnout está a possibilidade de recorrer a outras pessoas, ou seja, profissionais preparados para um processo de terapia. Quando os problemas parecem sem solução é difícil enxergar sozinho como lidar com as questões e estar ao lado de pessoas de confiança pode tirar parte da carga de responsabilidade que levou ao esgotamento. As pessoas do seu convívio não precisam ser capazes de consertar os motivos do seu estresse, apenas necessitam saber ouvir os seus problemas. Essas pessoas podem ser do seu ciclo amoroso, familiar ou de amizade, colegas de trabalho ou até mesmo grupos ou causas comunitárias ou religiosas que você se identifique. 

Outra atitude importante é reformular o modo como você encara seu trabalho, mudar de emprego ou carreira pode estar longe de ser uma solução prática, mas deve ser levado como possibilidade. Tentar encontrar um valor em atividades rotineiras e focar nas partes da atividade que gosta pode recuperar o senso de propósito e controle. Com equilíbrio é possível, mesmo odiando o trabalho, procurar significado da vida em outros aspectos, como família, amigos e hobbies.  Quando o esgotamento no trabalho parecer inevitável, pode ser possível tirar uma folga para conseguir se afastar da situação e usar o tempo restante para procurar outros métodos de recuperação.

Isso é possível ao reavaliar as prioridades ao notar que algo importante na sua vida não está funcionando. Pensar sobre os objetivos e sonhos e sobre o que se está negligenciando para alcançá-los pode auxiliar a definir limites e a dizer ‘não’ às coisas que não levam ao propósito desejado.

A prática de exercícios físicos e a manutenção de uma alimentação mais saudável podem contribuir muito positivamente para o tratamento e melhora da sensação de bem-estar. Para não chegar a evoluir um estresse cotidiano para a Síndrome de Burnout é interessante manter um acompanhamento psicológico. O profissional é capaz de identificar os sinais de maneira precoce e auxiliar nas medidas preventivas para não desenvolver o esgotamento total. Já ao notar os sinais do esgotamento em uma fase mais severa e incapacitante, o acompanhamento psicológico passa ser extremamente importante e capaz de promover uma melhora do quadro de forma mais rápida e eficaz. 

Se ao ler o texto você se identificou com os sinais, agende uma consulta no telefone abaixo. A equipe da Terapia Itaim pode te auxiliar a lidar com esse problema.

Daniella Macedo Borges
Psicóloga – CRP 06/164488

Eric Heibel
Psicólogo – CRP: 06/164529

Psicólogos

Eric Heibel

CRP: 06/164529
Psicólogo Clinico
Atendimento de adultos e adolescentes

Daniella Borges

CRP: 06/164488
Psicóloga Clinica Comportamental

Contato

Entre em contato conosco e agende uma conversa.